4.º Congresso dos Jornalistas

Nos dias 12, 13, 14 e 15 de Janeiro de 2017 decorreu o 4.º Congresso dos Jornalistas Portugueses. Participei nesse Congresso como membro da redacção multiplataforma do MediaLab, na equipa de gestão das redes sociais do Congresso – nomeadamente no chamado turno 1. Rapidez e evitar erros eram, portanto, a prioridade, uma vez que estávamos na linha da frente da comunicação externa do Congresso.

O primeiro dia do Congresso foi, para o nosso turno, de preparação de informações para o trabalho do turno 2 que se seguiria de imediato naquela tarde, e para o nosso próprio trabalho na manhã do dia seguinte. Eu fiquei encarregue de formular pequenas biografias sobre os vários oradores dos vários painéis.

No segundo dia tive a responsabilidade de, em conjunto com uma camarada de turno, de produzir pequenos vídeos para publicação nas redes sociais em que questionávamos congressistas sobre o tema daquela manhã. Esse foi o trabalho que ocupou toda a manhã, para além de monitorizar a actividade no Twitter à volta do Congresso. Aliás, esta foi a tarefa que me ocupou transversalmente no Congresso.

No terceiro dia estive a fazer o minuto-a-minuto das sessões da manhã no Twitter. Na mesa redonda que encerrava a manhã, sobre novos projectos de jornalismo, não havia transmissão vídeo online. Face a isto, encontrei uma solução muito rápida: ao invés de fazer minuto-a-minuto, no qual potencialmente se perdem algumas frases e questões, decidi transmitir a sessão através do Periscope. Estive na sessão até a bateria do meu telemóvel não aguentar mais. Depois fui almoçar e partir para o Estádio da Luz, para ver pela primeira vez o Benfica a jogar em casa.

O quarto dia foi, para mim, mais relaxado. Continuando a monitorizar o Twitter através do meu fiel TweetDeck, passei o dia a gerir o Facebook, publicando os vários trabalhos da redacção do dia anterior e do próprio dia. O Congresso terminou com a votação da resolução final e das mais de 50 propostas submetidas. Conseguimos ver grande parte dessa sessão até à hora de termos de ir embora para apanhar o comboio de volta para Braga.

No fim de contas, foi uma boa experiência, cansativa mas recompensadora.